O ALENTEJANO E A LETRA “F”

Um homem chega ao restaurante, senta-se e, acenando com o braço, diz:
– Faz favor: frango frito, favas, farinheira…
– Acompanhado com quê?
– Feijão.
– Deseja beber alguma coisa?
– Fanta fresca.
– Um pãozinho antes da refeição?
– Fatias fininhas.
O empregado anota o pedido, já meio intrigado: “o tipo fala tudo com Fs!”
Depois do homem terminar a refeição, o empregado pergunta-lhe:
– Vai querer sobremesa?
– Fruta.
– Tem alguma preferência?
– Figos.
Depois da sobremesa, o empregado:
– Deseja um café?
– Forte. Fervendo.
Quando o cliente termina o café:
– Então, como estava o cafézinho?
– Frio, fraco. Faltou filtrar formiguinha flutuando.
Aí o empregado pensa: “Vamos ver até aonde é que ele vai”.
– Como é que o senhor se chama?
– Fernando Fagundes Faria Filho.
– De onde vem?
– Faro.
– Trabalha?
– Fui ferreiro.
– Deixou o emprego?
– Fui forçado.
– Por quê?
– Faltou ferro.
– E o que é que fazia?
– Ferrolhos, ferraduras, facas… ferragens.
– Tem um clube favorito?
– Fui Famalicense.
– E deixou de ser porquê?
– Futebol feio, farta.
– Qual é o seu clube, agora?
– Farense.
– O senhor é casado?
– Fui.
– E sua esposa?
– Faleceu.
– De quê?
– Foram furúnculos, frieiras… ficou fraquinha… finou-se.
O empregado de mesa perde a calma:
– Olhe! Se você disser mais 10 palavras começadas com a letra F… não paga a conta. Pronto!
– Formidável, fantástico. Foi fácil ficar freguês falando frases fixes.
O homem levanta-se e dirige-se para a saída, enquanto o empregado ainda lança:
– Espere aí! Ainda falta uma!
O homem responde, sem se virar:
– Faltava!..
Alentejano duma figa !!!!

ASAE

Elementos da ASAE foram fiscalizar o Alentejo.
Entraram numa tasca, pediram um café e um deles quis também um bolo.
O compadre deu-lhe o café, pegou no bolo com a mão e colocou-o em cima do balcão.
Claro que foi chamado à atenção, além de ter de pagar uma valente multa.
Apressadamente, ligou para o compadre que tinha uma tasca lá perto e avisou-o:
– Compadre a ASAE esteve aqui. Tome atenção, pois são capazes de a seguir o visitar.
Palavras não eram ditas e os fiscais a entrarem porta dentro:
– Bom dia. Quero um café e um bolo.
Com todo o cuidado, deu-lhe o café e com a tenaz tirou o bolo e colocou-o num pires. Entretanto o fiscal, depois de ter tomado o café e comido o bolo, reparou que o homem tinha um cordel preso na braguilha e perguntou:
– Oiça, para que é esse cordel?
– Então, quando vou fazer xixi, abro a braguilha, puxo o cordel e faço xixi sem sujar as mãos.
– Então e depois como é que mete isso para dentro?
– É com a tenaz dos bolos…

Educação sexual na escola…

Anita, de sete anos, regressa a casa vinda da escola.
Tinha tido a primeira aula de educação sexual.

A mãe, muito interessada pergunta:
– Como é que correu?
Quase morri de vergonha! – respondeu a pequena Anita.
– Porquê
? – perguntou a mãe.

Anita respondeu:
O Zezinho, o menino com o cabelo ruivo, disse que foi a cegonha que o trouxe.
– O Marco, da livraria, disse que veio de Paris.
– A Cristina, a vizinha do lado, disse que foi comprada num orfanato e o Tó disse que foi comprado no hospital.
– O Paulinho disse que nasceu de uma proveta
– O André disse que nasceu de uma barriga de aluguer.

A mãe de Anita respondeu quase sorrindo:
– Mas isso não é motivo para te sentires envergonhada…

– Não, já sei, mas não me atrevi a dizer-lhes que como nós somos pobres, tiveste que ser tu e o pai a fazer-me…!!!

What a coincidence…

A chicken farmer went to a local bar… Sat next a woman and ordered a glass of champagne..

The woman perks up and says, ‘How about that? I just ordered a glass of champagne, too!’

‘What a coincidence’ the farmer says. ‘This is a special day for me…. I am celebrating’

‘This is a special day for me too, I am also celebrating!’ says the woman.

‘What a coincidence!’ says the farmer!

As they clinked glasses the man asked, ‘What are you celebrating?’

‘My husband and I have been trying to have a child and today my gynecologist told me that I am pregnant!’

‘What a coincidence,’ says the man. ‘I’m a chicken farmer and for years all of my hens were infertile, but today they are all laying fertilized eggs.’

‘That’s great!’ says the woman. ‘How did your chickens become fertile?’

‘I used a different cock,’ he replied.

The woman smiled and said, ‘What a coincidence!!!!’

Desculpem, não consegui resistir… :-D

Um abastado lavrador da Amareleja meteu-se no seu jeep e foi a um monte vizinho.

Bateu à porta.

Um puto de cerca de 9 anos vem abrir.

– O tê pai está em casa?

– Nã senhori foi a Évora.

– Bem, a tua mãe está em casa?

– Nã senhori ela também nã está. Foi com o mê pai.

– E o tê irmão Maneli? Ele está…

– Nã senhori, ele também foi com a mãe e com o pai.

O lavrador ficou ali uns minutos, mudando de um pé para o outro e resmungando sozinho.

– Posso ajudá-lo em alguma coisa, pergunta o rapaz delicadamente; ê sei onde estão as ferramentas; se quiser alguma emprestada; ou talvez possa dar um recado ao mê pai…!!

– Bem, diz o lavrador, com cara de chateado, realmente queria falar com o tê pai, por causa do tê irmão Maneli; ele engravidou a minha filha Raqueli.

??! O rapaz pensou por uns momentos…

– Lá disso nãa sêi, terá de falar com o mê pai. Se lhe servir de alguma ajuda para ir fazendo contas, ê sêi que o pai cobra 500 pelo touro, 100 pelo cavalo e 50 pelo porco, mas realmente nã sê quanto é que ele lhe vai levar pelo Maneli!

DIPLOMA…

Um velhote de Nacala está na varanda de casa com um amigo, quando um menino passa por ali. Ele chama:

– Diploma, vai falar para sua avó trazer uma cafézinho aqui para a visita !
E o amigo estranha:

– Mas que nome engraçado tem esse menino !!! É seu parente ??

– É meu neto ! Eu chamo ele assim porque mandei minha filha estudar em Maputo e ela voltou com ele …

ALENTEJANOS…

Dois alentejanos encontram-se e diz um para o outro:
– Compadre, onde vai com esse carro de esterco?

Responde o outro:
– É para pôr nos morangos.

Diz o primeiro:
-Atão o compadre nunca experimentou com natas?

SE JESUS FOSSE PROFESSOR, HOJE…

Naquele tempo, Jesus subiu ao monte seguido pela multidão e, sentado
sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se
aproximassem. Depois, tomando a palavra, ensinou-os dizendo:

– Em verdade vos digo, bem-aventurados os pobres de espírito, porque
deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os que têm fome e sede de
justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos,
porque eles…

Pedro interrompeu: – Temos que aprender isso de cor?

André disse: – Temos que copiá-lo para o caderno?

Tiago perguntou: – Vamos ter teste sobre isso?

Filipe lamentou-se: – Não trouxe o papiro-diário.

Bartolomeu quis saber: – Temos de tirar apontamentos?

João levantou a mão: – Posso ir à casa de banho?

Judas exclamou: – Para que é que serve isto tudo?

Tomé inquietou-se: – Há fórmulas, vamos resolver problemas?

Tadeu reclamou: – Mas porque é que não nos dás a sebenta e pronto!?

Mateus queixou-se: – Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!

Um dos fariseus presentes, que nunca tinha estado diante de uma
multidão, nem ensinado nada, tomou a palavra e dirigiu-se a Ele,
dizendo: – Onde está a tua planificação? Qual é a nomenclatura do teu
plano de aula nesta intervenção didáctica mediatizada? E a avaliação
diagnóstica? E a avaliação institucional? Quais são as tuas
expectativas de sucesso? Tendes para a abordagem da área em forma
globalizada, de modo a permitir o acesso à significação dos
contextos, tendo em conta a bipolaridade da transmissão? Quais são as
tuas estratégias conducentes à recuperação dos conhecimentos prévios? Respondem estes aos interesses e necessidades do grupo de modo a assegurar a significatividade do processo de ensino-aprendizagem? Incluíste actividades integradoras com fundamento epistemológico produtivo? E os espaços alternativos das problemáticas curriculares gerais? Propiciaste espaços de encontro para a coordenação de acções transversais e longitudinais que fomentem os vínculos operativos e cooperativos das áreas concomitantes? Quais são os conteúdos conceptuais, processuais e atitudinais que respondem aos fundamentos lógico, praxeológico e metodológico constituídos pelos núcleos generativos disciplinares, transdisciplinares, interdisciplinares e metadisciplinares?

Caifás, o pior de todos, disse a Jesus: – Quero ver as avaliações do primeiro, segundo e terceiro períodos e reservo-me o direito de, no final, aumentar as notas dos teus discípulos, para que ao Rei não lhe falhem as previsões de um ensino de qualidade e não se lhe estraguem as estatísticas do sucesso. Serás notificado em devido tempo pela via mais adequada. E vê lá se reprovas alguém! Lembra-te que ainda não és titular e não há quadros de nomeação definitiva.

… E Jesus pediu a reforma antecipada aos trinta e três anos…

Lésbico… Pois claro!!!…

Um velho campino, típico e tradicional do nosso Portugal, contemplava, como era seu costume, os touros a pastar nas lezírias à luz de mais um tranquilo pôr-do-sol. Pelo pitoresco do quadro e pelas vestes, que sempre envergava com assumido orgulho, era alvo da curiosidade de todos os turistas e transeuntes de outras paragens. Naquele dia, uma jovem aproximou-se dele e fez-lhe a pergunta do costume:
– O senhor é campino?
– Sou, sim, Menina.
– Um campino verdadeiro?
– Claro!!!
– Há muitos anos?
– Sim! Todos os dias conduzo os meus animais, e aos Domingos levo-os a lides triunfantes nas mais conceituadas arenas de Portugal!
Naquele dia, por ter acordado um pouco mais falador, colocou ele uma questão:
– E a menina?
– Eu sou lésbica. Acordo a pensar em mulheres, tomo banho, como, trabalho, adormeço e sonho a pensar em mulheres e de manhã acordo a pensar em mulheres!
No dia seguinte, foi a vez de uma outra excursão perturbar a calma local.
O grupo, curioso, aproximou-se do velho campino e perguntou-lhe:
– O senhor é campino?
Após uma pequena pausa, o velho campino respondeu, um tanto atrapalhado:
– Toda a minha vida pensei que sim. Mas afinal, ontem descobri que sou lésbico….

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑