Sumi ink

P_20180406_155709

Quem nunca usou a pedra de tinta e a tinta em barra não sabe o que perde! Como é natural, estou a falar de caligrafia e de algumas das ferramentas mais antigas que o homem criou para escrever. O resultado é uma tinta absolutamente fabulosa! E escrever com ela é um prazer!

Ontem “acordei” uns aparos com mais de meio século. Bem mais…

E um deles era português! Quem se lembra desta marca?

doc
http://gisaweb.cm-porto.pt/units-of-description/documents/51106/

Apesar de alguma ferrugem, ainda escreve. E muito bem, por sinal!

Estes aparos eram feitos na antiga “Fábrica de penas de aço para escrever e mais artigos” de Zeferino Alves Moreira, fundada em 1905 (Circunvalação – Monte dos Burgos – Porto – Portugal).
Nas caixas estava escrito “Estas penas são tão boas como quaisquer outras visto serem fabricadas pelos mesmos processos e do melhor aço Sueco.” Podem ver um exemplo aqui: SX Collectables.

Outros tempos com algumas coisas boas…

De volta ao prazer da escrita…

wd dip pen 2 (10)

Continuando a investigar o passado…

Sempre gostei de caligrafia e, ao mesmo tempo, sempre tive dificuldades em conseguir fazer uma letra que eu próprio gostasse e com a qual me sentisse confortável, até que, na fase final da minha juventude, redescobri as canetas de tinta permanente. Como, aliás, já vos contei.

O que não vos contei foi que, durante essa juventude, em casa do meu avô, descobri umas canetas de aparo que nunca percebi como funcionavam…

Como gosto muito destas coisas, de andar a tirar o pó à história, resolvi, recentemente, pesquisar sobre as canetas de aparo…

Qual não foi o meu espanto quando percebi que quem se dedica a escrever caligrafia usa, essencialmente, estas canetas! Não foi preciso mais nada. Vá de tentar!

Então não é que a escrita com estas canetas é um espetáculo! Que o prazer que se retira da escrita com as ferramentas adequadas não tem nada a ver com a escrita com uma esferográfica… E as tintas… Não tem nada a ver.

Mas, desilusão das desilusões… Procurem na Wikipédia por “caneta de aparo” ou só “aparo”. Depois tentem “dip pen”… Perceberam a diferença? Os portugueses correm, voam, para deitarem para o lixo tudo o que é tradicional, julgando que são muito avançados por adotarem todas as modernices, colocando na prateleira do esquecimento tudo o que vem do passado.

Como é que se pode fomentar a boa escrita sem as ferramentas adequadas?

Porém, graças à Internet, temos o problema resolvido.

Divirtam-se!

Aqui ficam uns sites interessantes com muito material:

http://www.dippennibs.co.uk/

http://www.blotspens.co.uk/

http://www.exaclair.com/brands_brause.php

http://www.williammitchellcalligraphy.co.uk/

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑