Mundo louco…

Acordei, hoje, cedo, muito cedo… É algo que me acontece. Ontem quase não dormi… Aproveitei a noite para ver um ou outro filme e para pensar. Para pensar no que está à minha volta; neste mundo. É a vantagem das insónias: permitir ter tempo, na correria infinita do quotidiano, para pensar.

E, realmente, chego à conclusão que este mundo anda louco. Melhor, as pessoas andam loucas.

Um desses filmes chama-se Quarta divisão. É um filme português, melhor, um bom filme português sobre a temática da violência doméstica. De 2013. Ora aqui está algo que eu não percebo. Violência doméstica?! Violência dentro do núcleo mais importante de qualquer sociedade?! Naquele espaço que cada um de nós, exceto os filhos, escolhe para se sentir bem, acarinhado, relevante, amado e em segurança! Violência aqui?! E, no entanto, esta é a realidade de muitas famílias… Daí que a sociedade esteja como está…

Outro filme interessante que tive a oportunidade de ver foi Testemunha: Líbia, no qual o fotojornalista Michael Christopher Brown nos relata, na Líbia, o caos que se vive nas ruas, depois da queda do regime de Gaddafi. Este filme teve a particularidade de surgir depois de eu ter lido, recentemente, o livro Gaddafi’s Harem, no qual uma mulher que foi vítima da barbárie do governante líbio, relata a sua história que, à semelhança da história de muitas outras mulheres e homens, se cruza com a sobrevivência e manutenção de um mito e da sua perpetuação no poder. Este livro, em português No Harém de Kadhafi, de Annick Cojean, é o testemunho de 42 anos da recente história de um povo. Sim, estamos a falar do século XX e XXI. Mas, voltando ao filme. Este aborda o momento em que aqueles 42 anos chegaram ao fim; esse e o momento atual… Que não é muito diferente dos 42 anos de terror anteriores…

Qualquer um dos três exemplos citados não é retirado do argumento criado para um qualquer jogo de computador, imaginado pela fértil e doentia mente de um qualquer humano que, à falta de melhor utilidade para dar à sua capacidade criativa, escolheu apostar no terror e na violência contra o ser humano como forma de entretenimento… Todos eles são muito reais, apesar do primeiro ser uma história ficcional (mas que é real para tantas famílias…)…

E eu pergunto-me: como é possível que, em pleno século XXI, estejamos a assistir a este tipo de manifestações de desumanização? Para onde foi a inteligência humana que, se por um lado me permite estar aqui a escrever estas linhas e a levantar estas questões que você vai ler, por outro alimenta todo este ódio, esta violência contra si própria?

A máxima “a história repete-se” é inequivocamente verdadeira, bem como a outra que diz que “não aprendemos nada com a história”…

Em conclusão, permitam-me fazer duas citações que resumem tudo isto: “nos últimos dias haverá tempos críticos, difíceis de manejar. Pois os homens serão amantes de si mesmos, amantes do dinheiro, pretensiosos, soberbos, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, desleais, sem afeição natural, não dispostos a acordos, caluniadores, sem autodomínio, ferozes, sem amor à bondade, traidores, teimosos, enfunados [de orgulho], mais amantes de prazeres do que amantes de Deus” (2Timóteo 3:1-4) e “Bem sei, ó Jeová, que não é do homem terreno o seu caminho. Não é do homem que anda o dirigir o seu passo.” (Jeremias 10:23)

Como estas palavras são, cada vez mais, a nossa realidade…

Dr.a Maria Vítor Campos

Ontem fiquei completamente aparvalhado com a descoberta desta notícia.

No ano 2006 tive necessidade de recorrer aos seus conhecimentos médicos na área da endocrinologia. E que médica eu fui encontrar! Afável, simpática, dum trato e consideração irrepreensíveis! Duma simpatia e competência ao mesmo nível. Uma mulher lindíssima também. Passadas poucas semanas estava novo! Tinha recuperado completamente dum problema que me afetava há mais de um ano…

Fiquei ontem a saber que, pela mesma altura, lhe havia sido diagnosticado cancro da mama. Lutou contra ele com toda a sua energia durante três anos… Infelizmente ele venceu… Tinha menos um ano que eu…

Que perda lamentável…

O seu nome ficará para sempre na memória dos que com ela tiveram o prazer de conviver, ainda que por breves momentos…

Kony 2012

KONY 2012 é um filme e uma campanha feita pela organização Invisible Children que tem como objetivo tornar Joseph Kony famoso, não para o homenagear, mas para angariar apoios para a sua detenção e estabelecer um precedente para a justiça internacional.

UNDER THE SAME SUN

Uma destas noites, no meio duma insónia, descobri que existem no nosso planeta seres humanos condenados à morte desde o seu nascimento. Duplamente condenados. São os albinos ou PWA (pessoas com albinismo). São condenados pela sua condição, carregada de problemas graves de saúde e condenados por sociedades que os marginalizam e caçam como se de plantas a quem se arrancam partes se tratassem… A minha insónia transformou-se em pesadelo, que não é, de modo nenhum, comparável ao destas crianças! Como é que é possível que tão pouco se faça para evitar este tipo de situações e se gastem autênticas fortunas em armamento e outras coisas do género?!

Podem ver os vídeos aqui, o canal do YouTube aqui, a página oficial da organização aqui e a página no Facebook aqui.

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑